08 setembro 2011

Emissários do Diabo - Desafio Literário 2011



Gilvan Lemos deveria ser estudado e discutido como um dos maiores escritores brasileiros. Ponto. Quando li “A Lenda dos Cem” fiquei chocado como poderia ser de eu nunca ter ouvido falar dele, nem em Pernambuco nem em nenhum outro lugar. É um mestre da arte da escrita, no mesmo patamar dos grandes nomes que nos fazem estudar nas aulas de literatura. Na verdade, ele é melhor do que a grande maioria dos nomes citados nas aulas de literatura. Muito melhor.
Apesar de em nenhum momento durante “Emissários do Diabo” ser citado o nome de qualquer cidade ou marco geográfico identificável, quem esteve no interior de Pernambuco vai reconhecer os sons e cheiros e cores. No entanto, o próprio Gilvan Lemos não se considera um escritor regionalista:

“escrevo sobre o que conheço, o que sei, o que me emociona.”

O livro curto deixa um gosto de completude quando se termina a leitura. Um pouco de vim, vi e venci. Por mais que vir, ver e vencer sejam termos de compreensão flexível. O livro tem ritmo peculiar, pontuado com um vocabulário que me carrega como pernambucano direto de volta pra minha infância. É uma história forte, sobre as fraquezas e vicissitudes do homem, bem como sobre suas forças. A história de Camilo não chega a duzentas páginas da mais alta literatura.

Avaliação: uma lapada de pitú, de uma garrafa enterrada por dez anos no terreiro

5 comentários:

Palavras Vagabundas disse...

Com essa resenha só me resta correr para conhecer!
abs
Jussara

Michelle Serralva disse...

Ele escreve sobre o que conhece e eu vou ler sobre o que eu acho que conheço, só pra achar pontos de identidade.

Michelle Serralva disse...

Ele escreve sobre o que conhece e eu vou ler sobre o que eu acho que conheço, só pra achar pontos de identidade.

Débora disse...

Coisa marlinda do mundo todo, Gilvan!
Amo amo amo amo!
E tome pitú!!!!

Vivi disse...

Depois de todo o entusiasmo, quero me juntar aos bons.