29 março 2011

Risco Laboral


Falar mal do Justin Bieber nem tem mais graça, virou clichê. Uma aluna (do latim, “ser sem luz”) trouxe ao meu conhecimento que JB fez aniversário esse mês. 18 anos com carinha de dez. Medo, muito medo.

Decidi fazer uma atividade de Tributo ao dito cujo, convidando meus alunos (do latim, “ser sem luz”) a reescrever Baby como uma canção-homenagem, dizendo tudo o que eles acham do energúmeno – dependendo do resultado das produções, posto os melhores trechos aqui ou no twitter.

Pra poder fazer a tal atividade, levei a música original para sala. Quando você acha que as coisas não podem piorar, você ouve a porra da música, de verdade, pela primeira vez, e presta atenção no que o bocó tá dizendo. E pior, acabei descobrindo que mr. JB é compositor da música!

Vou pular os versos clichês melosos que eu só não digo que foram mal copiados do Bon Jovi e do Bryan Adams pq acho que esses dois estão em um contexto e arcabouço de conhecimento muito superior ao possuído pela Barbie Andrógena. Vamos nos focar no que a música tem de, digamos, original. Os versos foram traduzidos por minha pessoa, para melhor entendimento geral – foi a tradução mais tranqüila da minha vida, não tem como estropiar ou piorar o material original.

Neguinho chega chegando, começando a música todo na marra:

“Tu sabe que me ama, sei que você se importa/
Tu quer meu amor, tu quer meu coração”

Pq tipo assim eu sou foda, sabe qual é? Sei que tu tá na minha mina.

“E nós nunca nunquinha em tempo algum ficaremos separados”

É, never ever.

Aí vem o momento crucial, onde toda a música e mesmo a existência da biba de topete faz sentido:

“Disse que tem outro, olhando bem dentro dos meus olhos”

Tipo, três versos antes ele era o cara, e agora tomou um toco. A PORRA DA CRIATURA DAS TREVAS É UM CORNO FELADAPUTA E TODAS AS MENININHAS DO PLANETA ESTÃO CANTANDO A DOR DE CORNO DELE!

“Meu primeiro amor quebrou meu coração pela primeira vez”

Bom, a menos que ela vá quebrar seu coraçãozinho S2 frágil mais de uma vez, o que lhe elevaria a categoria de corno bumerangue, se é o primeiro amor, tem de ser a primeira vez que quebra a desgraça desse coraçãozinho. Merecia tá no Big Brother esse guri, quando o Bial fala com um sem-noção emparedado “Estreando no paredão, né?” e larga a criatura do inferno: “é, a primeira vez”.

E vem o refrão, que não merece ser comentado. Pq ele ficou, tipo assim, baby baby baby... Acho que esses são os uivos da dor de corno do moleque castrato. Mr. JB deve estar no guiness, presumivelmente o primeiro ser humano a atingir a maioridade legal antes de passar pela puberdade. (Se bem que teve o golpe que deram no Império na época de Dom Pedro II...)

Nas outras estrofes o menino perde o cabeção e desespera:

“tentei dar uma de sussa, mas tô perdendo você!”

Tá o cacete, já perdeu mané!

Mas pq essa menina foi tão má? Tão cruel abandonando uma alma tão boa, iluminada, cor de rosa e gliterizada? Os próximos versos (e últimos disso aqui que falei demais dessa criatura e acho que vou ter de jogar o teclado no lixo depois de escrever esse texto) dão uma dica:

“Não consigo acreditar que não estamos juntos/
Te compro qualquer coisa, te dou qualquer anel”

Na maior, chama a menina de prostituta e interesseira. E ainda se propõe a realizar atos sexuais da mais profunda depravação com a coitada!

O resto desse lixo de música é tão terrível quanto o começo. E pensar que a gente achava que Menudos, Backstreet Boys e É o Tchan era o fundo do poço.

Moral da história: nenhum trabalho vale certos sacrifícios. Melhor as vezes a política do não ouvi e não gostei. Minha próxima meta de vida é evitar de ouvir “Friday” o máximo possível.




A quem interessar possa, uma análise de outros artistas que abrilhantam a música contemporânea:
Sandy: http://neiriberto.blogspot.com/2009/05/consertos-para-juventude.html
Vitor e Léo: http://neiriberto.blogspot.com/2009/05/fly-butterfly.html

2 comentários:

atracadouro disse...

Se a ideia não tivesse sido sua, cabia reclamar adicional de insalubridade.
Ri horrores!!

atracadouro disse...

putz!
Michelle Serralva