23 janeiro 2011

A Fantástica Fábrica de Chocolate - Desafio Literário 2011


E assim se completa a tríade do Desafio para o mês de janeiro, literatura infanto-juvenil. Pra quem nunca assistiu os filmes, um pouco de contexto: o livro conta a história de Charlie, um menino extremamente pobre que é uma das cinco crianças do mundo a encontrar um Cupom Dourado dentro de uma das barras de chocolate da fábrica do Sr. Wonka - maior fabricante de chocolates do mundo. Os "achadores" dos cupons são convidados a fazer uma visita à misteriosa fábrica, ciceroneados pelo próprio Sr. Wonka. Há mais de dez anos a fábrica continua em funcionamento, mas ninguém nunca vê um operário entrar ou sair da fábrica - apenas sombras muito peculiares são percebidas a noite através das janelas do grande prédio.

O livro é curto, pouco mais de oitenta páginas. Quanto às trinta primeiras, bom, tem certo mojo nelas. Mesmo sabendo-se que Charlie, nosso herói, eventualmente encontrará um dos benditos cupons dourados o autor usa bem essas primeiras páginas. Faz o leitor empatizar e se importar com Charlie e sua família. Fica-se ansioso cada vez (poucas, na verdade) que Charlie abre um chocolate na esperança de encontrar um cupom premiado, e dá até pra compartilhar um pouco da alegria eufórica de vôvô José quando finalmente o cupom vem.

Daí em diante é ladeira abaixo.

Se você viu um dos filmes (grande possibilidade) já sabe o que vai acontecer, e somado a isso a escrita perde um bocado do seu vigor. A eliminação das outras crianças durante o passeio (parte moralista, parte caso dos dez negrinhos, parte big brother) é chata e redundante.

Willie Wonka, depois da expectativa criada nas primeiras páginas, revela-se um personagem plano. E chato.

Avaliação: Copo de Tang Uva, 2/3 vazio.

Um comentário:

Vivi disse...

Engraçado isso. Algumas histórias permeiam tanto o nosso imaginário que o contato com a narrativa escrita torna-se previsível e decepcionante. Perde um pouco do fantástico, do sobrenatural.

Bjs