22 janeiro 2011

Contos dos Irmãos Grimm - Desafio Literário 2011


O mundo não é um lugar seguro. Os contos de fada, ao contrário das fábulas, não são fundamentalmente didáticos. Seu objetivo é o entretenimento. Então eles estão cheios de aventura, mágica, poesia e medo. Como ouvimos as histórias coletadas pelos irmãos Grimm à exaustão - muitas vezes nas versões musicais-cuti-cuti da Disney - esquecemos do que tem de medonho nos contos de fadas.

Se os contos de fadas fossem reportagens nos tablóides 2S (Sexo & Sangue) que pululam no país, as manchetes poderiam ser mais ou menos assim: MULHER ENVENENA ENTEADA POR INVEJA! ANIMAL SELVAGEM INVADE CASA E DEVORA AVÓ E NETA! Há rainhas negociando seus filhos não nascidos com duendes e madrastas assassinando enteados e os servindo cozidos como jantar para o marido. O medo fascina.

O mundo ordeiro e cartesiano das fábulas com ação e reação e bom senso e segurança não é o mundo dos contos de fadas. Nos contos de fadas há algo no escuro. Algo com presas.

Enquanto eu crescia sempre houve livros de contos de fada ao alcance da mão, na casa do meu avô, da tia, ou jogados em algum lugar lá em casa. Lembro que eram livrões, edições antigas, com ilustrações com cores sóbrias, arte quase renascentista, e texto de letras miúdas. E lembro que quando os lia a sensação era esse misto de medo e embevecimento, que faz você continuar lendo e indo em frente. talvez praticando um pouco de catarse. Ninguém nunca explicou totalmente pq gostamos de sentir medo.

Li os contos dos irmãos Grimm de uma sentada, como se diz. E foi assim: fascinante.


Avaliação: Um copo cheio de coca-cola gelada e meio pacote de negresco

3 comentários:

† Elaphar † disse...

Muito bom mesmo os contos dos Grimm, que por terem sido compilações de narrativas orais, acabam não sendo tão moralizantes quanto as versões Disney. Alguns contos revelam uma crueldade sem sentido, como é o caso de Die zwölf Brüder. Parabens pela resenha.

Vivi disse...

Gostei demais de sua resenha e avaliação. Os contos de fadas instigam a minha curiosidade de pelo fato de suas narrativas resistirem ao tempo se tornando universais no imaginário popular. Não é pouca coisa, não!

Bjs

jeguemutante disse...

depois quero saber todos os níveis desse teu critério de avaliação...

Nunca li os Grimm (até quero ler depois de ler o post), mas já li Andersen e senti a mesma coisa com "A menina que vendia fósforos" e aquela dos sapatos vermelhos.

:*